top of page

Felicidade no Envelhecer: Autoconhecimento na Maturidade

Como você conversa com o seu ENVELHECER? Que história você está contando para si sobre o seu processo de envelhecimento? A sua história ou a da sociedade que teme a velhice?


Com essas questões falemos sobre o autoconhecimento na maturidade.


Antes, porém, é importante destacar que maturidade é um estado de completo desenvolvimento, não necessariamente ligado à idade. Ela envolve habilidades, qualidades e adotar atitudes que nos permitam lidar com os desafios da vida.


E a primeira atitude em direção à conquista do autoconhecimento é ter um olhar generoso e compassivo para a sua própria história.


Minha proposta é: escreva a sua história de vida mencionando todos os detalhes circunstanciais e emocionais que vierem a sua lembrança, fazendo uma revisão da sua vida e anotando fatos, relembrando momentos, observando a sua evolução e superação perante tudo que lhe aconteceu.


Com este exercício você acessará sentimentos, valores, interesses, preferências, pontos fortes e fracos, atitudes e posturas que validam a sua trajetória.


Minha proposta é: escreva a sua história de vida mencionando todos os detalhes circunstanciais e emocionais que vierem a sua lembrança, fazendo uma revisão da sua vida e anotando fatos, relembrando momentos, observando a sua evolução e superação perante tudo que lhe aconteceu.


Com este exercício você acessará sentimentos, valores, interesses, preferências, pontos fortes e fracos, atitudes e posturas que validam a sua trajetória.


E, neste primeiro momento, não importa a qualificação dos pontos identificados “positivos” ou “negativos”. Importa reconhecê-los e entender como eles construíram quem você é. Conhecer suas limitações, forças, desejos e valores é essencial para tomar decisões alinhadas com quem você realmente é ou quer ser, para viver uma vida mais autêntica e significativa.


Isso é abraçar o autoconhecimento consciente e, na maturidade é um processo fundamental para um envelhecimento mais positivo e pleno.


E, por que não dizer, AUTOABRAÇAR o AUTOCONHECIMENTO? Vamos entender melhor esse autoabraço?


Diz o ditado de Confúcio, filósofo chinês: “A palavra convence e o exemplo efetiva”.


A partir dela vou relatar uma breve história pessoal que me ajudou a desenvolver o autoconhecimento.


Vamos conhecer esse recorte?


“Até os 40 anos eu era uma pessoa forte, destemida, independente e, como eu mesma me definia a partir das iniciais do meu nome: Sensual, Maravilhosa, Poderosa e Linda”.


Dos 41 até os 49 eu adormeci e me perdi dessa mulher por vários motivos, mas aos 50 anos eu acordei e retomei meu caminho.


Decidi que iria entrar com meu pedido de aposentadoria em dois anos. voltaria a estudar e iniciaria minha transição de carreira.

Preparei-me mental e emocionalmente para dialogar com alguns obstáculos, tais como de relacionamento e financeiro, e conseguir realizar essas metas.


Antes de prosseguir, percebam que eu disse DIALOGAR e não enfrentar ou superar obstáculos. Porque, às vezes e na maioria delas, nós vencemos quando entendemos e conversamos com o que nos impede de sair do lugar ao invés de negar, brigar, enfrentar etc.

Mas retomando, dois anos depois, em meio a uma pandemia e à perda da minha mãe, minha sogra e de uma pessoa muito querida num período de oito meses, eu estava aposentada, realizando duas pós-graduações e alguns cursos de extensão, além de fazer networkings que viabilizassem a transição de carreira prevista para se concretizar em cinco anos.

Isso exigiu autoconhecimento sustentado nos seguintes pilares:

1. Ajuda terapêutica

2. Aceitação de mim mesma

3. Definição de prioridades

4. Administração de emoções

5. Relações interpessoais saudáveis

6. Busca por crescimento pessoal


2024 fechou o ciclo dos cinco anos e eu percebi que foi o autoconhecimento na minha fase madura que me fez encontrar a felicidade no envelhecer.


Mas o que seria essa tal felicidade no envelhecer?

1. É fazer uma reeducação alimentar com apoio médico e nutricional ou, se preferir iniciar um programa gratuito, a dica é o Guia Alimentar para a População Brasileira ed. 2014, uma parceria da NUPENS-USP¹ e OPAS-Brasil².


2. É cultivar relacionamentos significativos mantendo conexões fortes, alegres e que promovem apoio emocional quando os momentos difíceis surgirem.


3. É fazer o que nos faz felizes (descubra o que te faz feliz e lute para realizar).


4. É fazer uma reeducação alimentar com apoio médico e nutricional ou, se preferir iniciar um programa gratuito, a dica é o Guia Alimentar para a População Brasileira ed. 2014, uma parceria da NUPENS-USP¹ e OPAS-Brasil².


5. É cultivar relacionamentos significativos mantendo conexões fortes, alegres e que promovem apoio emocional quando os momentos difíceis surgirem.


6. É fazer o que nos faz felizes (descubra o que te faz feliz e lute para realizar).


7. É ser:


• Grato(a): a gratidão genuína que faz um movimento de dentro para fora e que quando não expressa, faz falta para deixar o dia mais luminoso.


• Esperançoso(a): a esperança que ter move, que apresenta as possibilidades de ação, que abre os olhos físicos e os olhos da alma para ver além do que está ao alcance e que ensina a esperar o melhor do bem e do mal, porque tudo traz lição e aprendizado.


• Sereno(a): a serenidade que acalma no meio da tempestade e dá coragem para andar sobre as águas e não afundar, para encarar os monstros reais e imaginários e vencê-los pela mansidão.


• Compassivo(a): a compaixão que decide não se acomodar e sair do lugar em busca de realizar o melhor independente da origem, causa e consequência da dor.


• Meditativo(a): a meditação que movimenta o ser reforçando o autoconhecimento pelo despertar da essência da alma, do sentido da existência. A meditação que une corpo, mente e espírito transitando entre o processo espiritual e o químico, gerando equilíbrio emocional e paz interior.

• Amoroso(a): o amor que engloba todas as facetas de amar descritas em I Cor. 13.


Se observamos bem, tudo é MOVIMENTO.


Sem romantismos, viver essa fase da vida e aplicar todas essas dicas diante das limitações e dissabores do envelhecimento é DESAFIADOR. Além do que, encontrar as práticas que trazem felicidade durante o envelhecimento pode variar de acordo com as preferências individuais.


E por ser individual, é que acho importante que você se pergunte: o que eu estou fazendo pela minha felicidade e autoconhecimento na maturidade?






Sergilene Lima - Meu projeto é ajudar você a ter um encontro com o envelhecimento positivo

Contate-me: INSTAGRAM: @geronto_psipositiva.sergilene     E-MAIL: www.sergilenepsipositiva


3 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page